quinta-feira, 27 de outubro de 2011

BRASAS DO CLUBE

Começo a formar uma teoria: junto com a paixão por Brasílias deve estar associado algum dom do bem escrever. Vejam só que belo texto do Hildebrando Neto, de São Domingos-BA, sobre sua brasa:

"Minha Brasília tem um grande valor sentimental. Pertencia ao meu avô que era apaixonado pelo modelo, tanto que, sempre que podia, todo fim de ano trocava a Brasília que usava por uma “zero” na concessionária. Trocou de Brasílias até o ano que pararam de fabricar, tanto que a nossa é ano e modelo 1982. Além de pertencer ao nosso avô já falecido, o elo emocional com o carro começou desde cedo, quando eu e o meus irmãos mais novos aprendemos a dirigir no carro. Sem carteira de motorista, pois ainda não tínhamos idade, era na Brasília que passeávamos nos finais de semana e nas férias pelas ruas da pequena e graciosa São Domingos-Bahia, nossa terra natal, quando vínhamos da capital Salvador, onde estudávamos. Depois de adultos, cada um de nós comprou o seu carro e a Brasília acabou ficando encostada por anos na garagem da fazenda, onde passou a ser usada nos afazeres rurais. Há dois anos resolvi colocar a brasa para funcionar novamente, com a autorização da minha avó (na foto), que ficou tão satisfeita com a ideia que me doou o carro. Empolgado, comecei o processo de recuperação da chaparia, suspensão e motor. Sempre tive vontade de tunar um carro e foi na Brasília que tive a chance de projetar como queria (pintura, teto solar, para-choques, etc). Coincidências à parte, o documento do carro ainda continua em nome de meu avô (já estou com a autorização para transferi-lo), do qual eu levo o nome, e a placa ainda é amarela “GO 1606”. Ele colocou em homenagem a data de aniversário de minha avó, dia 16 de junho. Outra curiosidade: quando peguei o carro para reparar, ele estava adaptado para rodar no gás, então coloquei para gasolina, mas deixei a opção anterior funcionando. Assim consegui colocar outro acessório importante na minha brasa: sempre levo uma maleta de churrasqueira a gás, que já me pertencia, em cima da tampa do motor e, quando dá vontade, reunimos os amigos e fazemos churrascos na hora, diretamente da Brasília. Para combinar, pintei a churrasqueira da mesma cor do carro e coloquei o emblema da Volks. Algumas pessoas que não entendem me perguntam se a churrasqueira veio junto com o carro... rsrsrsrsrs"

3 comentários:

  1. cuidado pra nao bater de frente senao explode!!!

    ResponderExcluir
  2. Sensacional - história, zelo e criatividade !

    ResponderExcluir
  3. Ficou perfeita. Parabéns!

    ResponderExcluir